8 de julho de 2010

159 - Não comprar café, para a máquina, em pastilhas


Eu não gosto do sabor do café (mas adoro o cheiro). E tomar um café pode provocar-me uma de duas reacções: se for até meio da tarde, passo o resto do dia com vontade de andar aos saltos e a correr, dentro do género dos personagens da b.d. Asterix e Obelix, quando acabam de engolir a poção mágica (menos o Obelix, claro...). Se for depois, não consigo dormir a noite toda...

Bom, mas o Zé Manel gosta de café e nós temos uma daquelas máquinas de tirar expresso (um de cada vez...), velhinha mas afinada! Também temos um moinho de café. Portanto podemos perfeitamente comprar café em grão. Ai, mas a preguiça foi falando mais alto!!! Primeiro começamos a comprar café já moído (que não tem o mesmo aroma) e, de vez em quando (principalmente para quando temos convidados), as fantásticas pastilhas, que vieram revolucionar o tirar café em casa, como diz a publicidade: "simples, prático e limpo", "nunca mais haverá café moído espalhado pela bancada"...


Só que as pastilhas vêm cada uma no seu filtro de papel, na sua embalagem de plástico, todas dentro de uma caixa... Tanto invólucro!

Portanto vamos fazer o percurso inverso: não comprar mais pastilhas (nem com a desculpa "ah, vamos ter muita gente cá em casa..."), voltar a comprar café, de preferência, em grão e - melhor ainda - a granel, porque vem num cartucho de papel!

Ah! E não aderir à - ainda mais recente - moda das belas máquinas nespresso, delta q e afins. A primeira até faz recolha das cápsulas para reciclagem (e até são giras para se reutilizarem), e a segunda publicita - fica sempre bem - que as suas cápsulas são recicláveis (deve ser tarefa complicada...), mas o primeiro R é REDUZIR, e não reciclar, por alguma razão!

Como é que beber um café em casa se tornou algo de tão elaborado? Aparentemente simples, mas elaborado (esta reflexão aplica-se a tanta coisa...)?

Onde estão as cafeteiras italianas?


As bodum?


E os balões de café?

Adorava o ritual do meu pai a fazer o café no balão. Em dias especiais, é certo, porque demorava um certo tempo... Mas é poesia!


15 comentários:

  1. Obrigada pelo link para o meu trabalho.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  2. De facto o café de balão é o máximo!!! Qto ao café do dia-a-dia, q tal comprar café bio ou proveniente do comércio justo?

    ResponderEliminar
  3. Ora agora é que disse o que ninguém parece ver..bem alguns

    o primeiro é reduzir o consumo de bens que não nos fazem falta para nada..que existem opções muito mais saudáveis(tanto para o lado humano como para o planeta)
    comprar-mos a pensar "oh pá depois reciclo"..é o que faz com que o tamanho das lixeiras não diminuía..porque nem todos os componentes do que se compra se pode de algum modo reciclar e/ou reaproveitar de algum modo...
    eu contra mim falo, claro..mas do mesmo modo que existem imensas mensagens de "consuma isto que é reciclado/se pode reciclar, deveria haver mensagens de uma maior consciência ao consumismo desenfreado...
    que é possivel comprar coisas que não poluem..ao vez de coisas que poluem pouco...

    Gosto muito de visitar o seu blog..bem aja
    beijocas

    ResponderEliminar
  4. Acho que o maior contribuidor para o café em pastilhas foi o George Clooney...

    Eu continuo com o modo tradicional de fazer café de saco, e adoro o café de balão. Só tenho é de arranjar um balão de baixo para a minha que está rachado e torna-se perigoso, mas não sei onde.

    Aproveito para informar que a Delta vende agora café de comércio justo (http://www.deltacafes.com.br/apre_cidadania.php). Não é o comum, é mais caro, mas já é uma boa notícia.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Manuela se for do Porto encontra bales de substituiço na Nortel (Rua Fernandes Tomas, perto do cruzamento de S da Bandeira), se for de outra cidade tente nas casas da especialidade em caf ou hotelaria).
      Espero ter ajudado.

      Eliminar
  5. Não há nada mais bonito e cheiroso que uma cafeteira italiana. Pensei mesmo que fossem portuguesas! :)

    ResponderEliminar
  6. Obrigada Traquinas pela partilha e apoio!

    Quanto ao café de comércio justo, Cat e Manuela, em breve farei um post sobre isso. Entretanto já falei do chocolate de comércio justo (http://365coisasquepossofazer.blogspot.com/2010/01/comprar-apenas-chocolate-biologico-e.html).

    Orquídea, foi por acaso que cheguei à tua página, mas ainda bem. Parabéns!

    A verdade, Joana, é que estas cafeteiras foram usadas tantos anos, que já fazem parte das nossas tradições, não é?

    Um bom resto de semana!

    ResponderEliminar
  7. Pois apesar de ter uma dessas novas máquinas, voltei a fazer cafè ( mistura ) na cafeteira, isto já há uns anos, antes da máquina, todos os dias. Como fazia a minha avó, que o fazia na lareira.
    Por acaso é Delta.

    ResponderEliminar
  8. Olá Ema,
    vim espreitar o post recomendando que deixaste no meu:
    Cápsulas de Café na Teia Ambiental

    Continua a deixar links pois é bom ligarmos os assuntos e enriquecer as temáticas. Obrigada.

    Já agora aproveito para te dar a conhecer as minhas invenções na máquina expresso tradicional:
    Chácolate Expresso
    Latte Expresso com essência de aniz

    Quanto às borras costumo juntar à compostagem. Mas sei que também se pode juntar à terra dos vasos, desde que seja em pequena quantidade. Nada de fazer dos vasos um deposito de café :)

    Se algum dia quiseres participar na Teia Ambiental, estás à vontade. Basta publicares um dos teus artigos no dia 7 de cada mês e mencionares que faz parte da colectiva.
    Beijinhos.
    Rute

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada!
      Hei-de experimentar as tuas receitas!
      Vou ver o que devo publicar na teia.
      Beijinhos

      Eliminar
  9. Também sou adepta das cafeteiras italianas e dos balões.
    Gostei do post e do blog, parabéns.

    ResponderEliminar
  10. Olá Ema,
    Cá em casa havia uma máquina de café de filtro (do tipo das que têm filtro em papel, mas esta o filtro é em nylon), 2 cafeteiras italianas uma para 6 e outra para 2 cafés, e por último uma expresso pequena...
    Primeiro usei a expresso, mas com o uso e calcário da água... pifou; as cafeteiras italianas foram usadas durante o máximo de tempo possivel, mas como eram pintadas na parte superior e no interior da mesma, a tinta começou a empolar e achei que era perigoso usá-las, portanto primeiro uma e depois outra... foram embora; por último a cafeteira de filtro que foi a primeira a usar e que esteve tanto tempo arrumada... esta a ser usada novamente, e tem já bem mais de 20 anos, mas funciona na perfeição.
    A Nespresso, Dolce Gusto etc. acho muito engraçadas, mas acho que no meu caso acabava por ficar carissimo (o café é só para mim) e, que ía fazer há antiga máquina de filtro? Deitava fora? Claro que não!
    Quanto ás cafeteiras de balão...ADORO, gostava imenso de ter uma acho que num jantar e fazer café nestas cafeteiras é um ritual quase mágico; mas a mesma pergunta se coloca.... que fazia há antiga cafeteira?
    Quando esta cafeteira que tenho a uso, se avariar (espero que seja o mais tarde possivel), logo verei por qual me decidirei, mas acho que será outra do género ou então volto ás italianas que até ocupam menos espaço e me libertam a bancada.
    Em relação ao café... compro sempre em grão, coloco no moinho e pronto, adoro o cheiro a café acabado de moer.
    Já agora... também acho mágico aqueles moinho de café de dar à manivela... acho lindo...
    Bjs,
    Teresa C.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já agora, Teresa, vê este post sobre café sustentável:
      http://365coisasquepossofazer.blogspot.pt/2010/11/comprar-apenas-cafe-biologico-do.html
      (se calhar até já viste...)
      beijinhos

      Eliminar
  11. Olá Ema,
    Obrigada, vou dar uma esreitadela sim.
    Bjs,
    Teresa C.

    ResponderEliminar

Obrigada pela sua visita e pelo seu comentário!
Nem sempre respondo aos comentários, visto este já não ser um blogue activo.
Se precisar de me contactar faça-o através do email awondrousday@gmail.com.
Obrigada e um boas mudanças verdinhas!